O BENGALEIRO

19.5.22

As recentes obras de downsize e remodelação que se fizeram na sede da empresa da família, foram a desculpa perfeita que encontrei para tornar o espaço com mais cara de casa e ao mesmo tempo usar algumas velharias na decoração. É que eu não sou a única fã do vintage, o meu pai também partilha do meu gosto e até exagera na aquisição de peças, entupindo o espaço com itens amontoados, numa desorganização em que nada consegue se destacar ou brilhar. No amontoado encontrava-se um bengaleiro, peça que caiu em desuso mas que quando tratada com carinho, resgata as linhas de outros tempos e segue abrilhantando o ambiente. A minha missão nas obras de remodelação, foi encontrar o espaço certo para cada objeto e definir-lhes uma função, nem que fosse só decorativa. Foi assim que tendo como ponto de partida um papel de parede revigorante e que nada tem a ver com um espaço de trabalho, o trenó juntou-se ao par de skis e tornou-se expositor de livros, a máquina de costura destacou-se no corredor, as malas de viagem migraram e se empilharam na sala de reuniões e o dito bengaleiro, depois que se despiu do verniz escuro e ganhou novos e modernos cabides, foi receber e saudar os visitantes na entrada. Fico a dever a mesinha de cabeceira que tenho no momento entre mãos e que fará vezes de apoio ao sofá do pequeno espaço de espera. Nas fotos a seguir, além das demais peças já nos seus devidos lugares, verão o bengaleiro tal como se encontra junto à entrada do escritório e também uma pequena produção de como se poderia levar esta peça para casa e torná-la destaque num quarto. Criatividade e irreverência é o que pedem os objetos antigos!







E se esta peça saísse do escritório e porventura fosse parar lá em casa? Abaixo, possível utilização deste bengaleiro nos dias de hoje, num quarto ou entrada de casa, por exemplo:

Como ficaram arrumadas as outras peças que estavam amontoadas antes das obras:




O bengaleiro, antes:


Após ter sido retirado o verniz velho com decapante, limpei a madeira com etanol e uma pequena escova de aço. Note-se a parte de cima já bastante mais clara que a de baixo:
Colagem de uma zona mais frágil:

7 comentários:

  1. Os seus posts são sempre tão inspiradores!
    Adorei, parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Adorei, adorei e adorei!! Abençoadas mãos e ideias. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Que peça mais linda!!!!! E com essas mãos de fada, ficou deslumbrante. Amei!!!!
    Laura

    ResponderEliminar
  4. Que maraviha! Não só o bengaleiro mas tudo! Deve ser muito bom trabalhar aí!
    Xum

    ResponderEliminar
  5. Mais um trabalho maravilhoso e surpreendente saiu das tuas hábeis mãos! Adorei o móvel renovado e a utilidade que lhe dás. São muito interessantes e curiosas as diferenças do "antes" e do "depois" e fico deliciada a ver os pormenores todos. Obrigada por mais uma deliciosa partilha e ainda bem que continuas por aqui. Beijinho grande, até breve!

    ResponderEliminar
  6. Que objectos fantásticos e que espaço de trabalho tão bonito!! É deveras importante que o ambiente de trabalho seja assim, acolhedor e bonito aos olhos de quem o habita e visita, em suma, que faça bem aos olhos, portanto! hahahaha O bengaleiro é uma peça muito bonita e tu deste-lhe o tratamento merecido, conseguiste destacar ainda mais a beleza da peça. O trenó e os skis, tão lindos e invulgares, as malas de viagem e a máquina de costura, todos os objectos nos fazem viajar nos nossos pensamentos para lugares bonitos e de conforto. Lindo espaço Val, e bonita missão a tua. Olha lá, e será que a mesinha de cabeceira é aquela que estou a pensar? :)

    ResponderEliminar
  7. Oh Val mas que convidativo está essa entrada.
    O papel de parede já por si dá lhe aquele uau factor.
    O bengaleiro ficou lindíssimo, era uma peça que usaria em minha casa tal como o trenó.
    Adorei a tua produção.
    Tens tanto bom gosto, adorei
    Um grande bj
    Lulu

    ResponderEliminar

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics