CELEBRAR A PÁSCOA

31.3.24

Páscoa pede uma mesa colorida e recheada de doces. E à volta dela, a família reunida. Para festejar a primavera, que chegou tímida ao hemisfério norte, mas acima de tudo para celebrar a alegria do renascimento e do recomeço. Uma santa Páscoa é o que desejo a todos aqueles que por aqui passarem!

BANQUINHO COM PINTURA ORGÂNICA

14.3.24

A chamada pintura orgânica é uma tendência recente de decoração de paredes e moveis que sempre chamou a minha atenção. Como sou muito imediatista nos meus projetos, perdendo pouco tempo na conceção dos mesmos, nada melhor do que uma proposta criativa que permite o desenho de formas livres, sem moldes ou figuras perfeitas. Em suma, uma arte sem regras que apenas pede harmonia nas cores e traço solto. Mas se por um lado gosto de ousar e experimentar técnicas novas, por outro prefiro testar em peças pequenas que não requeiram grande responsabilidade, que é como quem diz, em caso de falhanço, fica mais fácil lidar com a frustração. A escolha recaiu então sobre um banco de personalidade forte que levou uma vida de superação: décadas ao serviço da patroa na cozinha; meses aos caídos em meio das obras do andar onde foi encontrado; e um ano à mercê das intempéries na pequena varanda desse mesmo andar. Um banquinho com tal resiliência merecia que alguém o olhasse com carinho! O material usado, foi o que tinha em casa: restos de tinta chalk paint e um marcador acrílico que havia servido para outras situações. A técnica, adaptei de alguns tutoriais que assisti: comecei por traçar as formas que pretendia, a lápis, sobre o assento do banquinho, pintei-as com as cores disponíveis, fiz um ligeiro decapé e finalmente, com o marcador acrílico, desenhei os elementos vegetais. Para selar o todo, duas demãos de cera incolor. Tudo na maior descontração e sem grandes pretensões. Foi um bom treino para uma primeira vez, e deu-me vontade de arranjar uma peça diferente do banco, com superfícies maiores, onde possa brincar mais com o tamanho das formas e dos desenhos. Enquanto isso não ocorre, fiquem com o velho banco, de vida sofrida mas resistente, de volta ao andar onde sempre habitou, mas agora, com incontáveis oportunidades pela frente.

BAÚ PAPRICA

11.2.24

Algumas vezes perguntam-me de onde tiro a inspiração para transformar moveis e objetos e eu costumo responder que a inspiração vem de todo o lado. E quando o digo, de facto sublinho: de todo o lado mesmo, literalmente. E a prova disso é este baú, que acabou por ganhar cor avermelhada e nome de condimento simplesmente porque no catálogo, a referência da tinta tinha uma sonoridade que não só me agradava como também remetia a um certo exotismo: paprika. E na incerteza do que fazer com o baú depois de me ter apercebido que originalmente, ele tinha um tecido maravilhoso, às riscas, mas que este havia sido pintado e era impossível lixar a tinta sem desfazer o pano já fino e gasto pelos anos, fui de fato pelo caminho de dar-lhe uma roupagem completamente distinta, com uma cor chamativa e um interior surpreendente: surgiu então a chalk paint Paprika Red pelo lado de fora e o tecido adesivo da Glu, lá para dentro. Uma parceria perfeita, que me levou a ficar com esta mala de porão, que certamente tantas viagens fez e tantas prendas transportou, aberta na sala lá de casa, só para apreciar o casamento feliz entre cor e padrão. Isto, é claro, enquanto ela não se muda definitivamente para a casa da vila que apresentei aqui. Até lá, vou lavando a vista...

MOVEL EM MADEIRA TRABALHADA GANHA NOVA ROUPAGEM

9.1.24

Em meados do ano passado recebi de uma instituição centenária em extinção, da qual eu fazia parte, boa parte do mobiliário da sua sede. Uma herança um tanto ou quanto pesada, no sentido literal do termo, uma vez que me obrigou a encontrar um local para guardar o recheio, mas também um legado bastante desafiante, pois irá obrigar-me a dar largas à imaginação se quiser modernizar as peças, continuando a respeitar a história que elas encerram e que eu tão bem conheço. A primeira que transformei, foi um móvel que em minha opinião encaixava-se como uma luva no local que eu tinha em mente, mas cujo trabalhado da madeira, além de lhe dar um ar sisudo e carregado, não realçava. Optei por dar-lhe uma cor mostarda e no caso usei tinta chalk paint cor Arles da Annie Sloan que é cara, reconheço, mas das tintas deste tipo que já utilizei, é sem dúvida a que tem melhor cobertura e evita duas etapas estafantes: lixar e dar primário. Além do que, as cores são só fabulosas! Perdi a conta de quantas voltas dei à peça e em quantas posições me coloquei para conseguir alcançar todos os cantos e retorcidos. Usei também vários tamanhos de pincéis e apliquei umas quantas demãos. Digamos que foi um trabalho em que arrisquei mas que depois de pronto encheu-me de orgulho. No final, dois pequenos detalhes, que não parece mas fazem uma certa diferença: tassels pendurados nas ferragens e tecido autocolante no interior. E aí o têm, de roupagem nova, saído de um ambiente taciturno para uma casa renovada e cheia de luz que em breve mostrarei aqui.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics