AVENTAIS PARA PEQUENOS CHEFES

12.2.19
Se há coisa que gosto de costurar para dar de presente a crianças, são aventais. Lembro-me que os meus filhos, quando pequenos, adoravam "ajudar" na cozinha, empoleirados num banquinho para chegarem à bancada, e eu, que tinha outra idade e paciência, fazia sessões de bolos e bolachas, que sujavam todo o recinto mas nos proporcionavam momentos bem passados. Essas lembranças fazem-me crer que um avental além de uma prenda divertida, pode ainda estimular a criança a participar em pequenas tarefas em casa. Espero um dia destes ter calma para conseguir fazer um kit completo: bata, luva térmica e acessórios lúdicos a condizer. Ainda não foi desta, mas já fiz uma nota mental para, da próxima vez que eu me deparar em lojas, com forminhas, espátulas, colheres, batedor de ovos, tudo em ponto pequeno, comprar e aguardar até ao próximo avental! Desta vez, o tempo urgiu e apenas deu para eu usar um modelo de bata simples, que encontrei aqui, e fazer uma versão feminina e outra masculina, que não sendo iguais, se complementassem de alguma forma. Usei a imaginação, muitos retalhos disponíveis e espero ter feito os mini chefes duplamente felizes, pois os aventais são dois em um, ou melhor, dupla face.

TRANSFORMAR SEM ADULTERAR #1

30.1.19
Nos últimos 2 anos tenho estado ligada à conversão de um edifício de habitação do início dos anos 60 em alojamento local. Tem sido um trabalho bastante intenso e desafiante o de transformar andares de 600 m2 (sim, 600, leram bem!) que foram construídos para famílias abastadas, com tudo o que havia de melhor e mais requintado à época, em 105 quartos consentâneos com a realidade atual e que cumpram as infindáveis regras do turismo. Como sempre, a palavra de ordem é manter, manter e manter, tudo o que de original o prédio tem. Desde às várias lareiras que existem nos pisos, às estantes que faziam parte das bibliotecas, aos pisos de madeiras exóticas vindas de África, às casas de banho austeras em pedra de alto a baixo, aos frescos que decoravam algumas das casas. Não vou ser exaustiva, pois não quero cansar quem me lê, e além do mais, as fotos dos "depois e antes" (eu prefiro essa ordem) são bem expressivas, apesar de nem sempre terem sido tiradas dos mesmos ângulos. Dois anos depois de ter começado a obra, parece que o fim está a vista, e a inauguração da unidade, para breve, e apesar da excitação para ver o produto acabado ser grande, o fato é que vou ter saudades. Este tipo de trabalho, de respeito ao património, de contornar o existente, trazendo-o para a atualidade sem desvirtua-lo, é sem sombra de dúvida o que mais gosto de fazer como arquiteta. Por trás destes ambientes, que foram fotografados por um profissional para a divulgação do alojamento, estão muitas pessoas que trabalharam junto comigo, das mais diversas áreas, com quem muito aprendi e cresci. Hão de reparar que coloquei no título deste post um #1, pois ainda quero mostrar-vos daqui a algum tempo, a transformação das partes comuns, da fabulosa escadaria central à pequena e charmosa cabine de elevador, que por ser tão diminuta, mudou de funções. Impossível mostrar ou explicar aqui todos os detalhes e pormenores interessantes que pautaram este trabalho, mas fiquem com uma ínfima parte que consigo partilhar, penso que vão gostar. Quem conhecer Lisboa, vai, na última foto, reconhecer o local e, se voltar a passar pela zona, consegue com certeza identificar o prédio.

A antiga sala de jantar, com lareira e nichos:

IDEIAS QUE SAEM DO CONVENCIONAL

15.1.19
Há praticamente um ano que não mostro aqui ideias fora do vulgar, que vou coleccionando nos meus passeios. Das duas uma: ou tenho deambulado pouco, ou estou a perder qualidades! Eu que sempre ando de antenas alerta, parece que ultimamente me encontro distraída e sem novidades para trazer numa das rubricas que mais gosto no blog: a Por aí. No entanto, hoje deixo aqui meia dúzia de ideias, originais e divertidas, onde o investimento em tempo e dinheiro foi pouco ou nenhum. Lembre-se: a inspiração vem de todo o lado, basta manter o olhar aguçado e criar a sua própria versão!

Um clássico que sempre me encanta: móvel de máquina de costura que vira mesa, e desta vez, nem a própria máquina descartaram. Cabe quase nada em cima? concordo, mas que tem seu charme, lá isso tem.

TIE DYE QUE NÃO DEU CERTO E OUTROS PRESENTES (DE NATAL)

6.1.19
Neste último Natal tinha dois grandes objetivos: não colocar os pés num shopping center e fazer camisolas tie dye para as crianças da família. A primeira intenção foi superada com sucesso, mas da segunda, já não posso dizer o mesmo. Apesar de ter comprado o material atempadamente, ter assistido mil e um vídeos no Youtube e ter seguido à risca as instruções do fabricante, as tshirts brancas não saíram da panela manchadas, como era suposto, mas completamente unicolor e sem graça, como se tivessem sido compradas numa qualquer loja da esquina. E, creiam, torci-as e amarrei-as com força e determinação antes de as mergulhar na tintura. Desiludida e sem ideias, foi quando dei de caras, no Instagram da Malú com suas artes de Natal feitas com o típico Christmas Truck aplicado. Pedi-lhe ajuda e a Malú manda-me uma foto do desenho à mão livre, feito por ela, de um carrinho com a árvore de Natal carregada no tejadilho. Maravilha de laços e generosas partilhas que fazemos por essa internet afora! O passo seguinte foi ampliar a foto, transferir e aplicar nas desenxabidas camisolas, dando-lhes um ar cómico que muito agradou as presenteadas. Quanto à minha recusa de não entrar num centro comercial entupido de gente, é óbvio que a alternativa foi comprar tudo online. Nas minhas navegações por aí, descobri a marca Holandesa Kitch Kitchen, colorida e original como gosto, e corri a família, eles e elas, mais jovens ou não tão jovens, a vasos, plantas e flores. Diga-se de passagem que a parte masculina ficou surpreendida, habituada que está a receber itens que se convencionou serem os ideais para homens (camisas, cintos, garrafas de vinho..) mas recebeu de bom grado uma suculenta para cuidar e até procurou informar-se: frequência de rega, sol ou sombra, dentro de casa ou exterior. Outra coisa da qual fiquei proud of myself neste Natal, foi de não ter contribuído para o lixo que se amontoa junto aos eco pontos nos dias que se seguem às festas: nada foi embrulhado! Achei que as prendas tinham estética mais que suficiente para bastarem-se a si próprias.


ESTAR PRESENTE...

24.12.18
Tenho uma teoria muito própria sobre o Natal: que idade e número de presentes são grandezas inversamente proporcionais. Ou seja, quanto mais velhos ficamos, menos prendas recebemos! Mas até nisso a natureza é sábia tornando-nos mais desprendidos das coisas materiais à medida que os anos passam. Com a idade começamos a valorizar mais os momentos em si, os sentimentos e a importância de logo à noite estarmos presentes. Seja qual for a sua forma de festejar o Natal, e não há uma fórmula correta, cada um assimila e vive a quadra à sua maneira, tenho a certeza que reunião é a palavra mais importante. Reunião, que também é sinónimo de celebração e comemoração. Que à vossa mesa, daqui a umas horas, não faltem afetos, memórias e sonhos. Mas principalmente, que estejam todos...presentes.
Feliz Natal!
 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics